27 setembro 2008

AS CAUSAS DA CRISE (NACIONAL)

Segunda parte do meu artigo na Revista EXAME de Setembro:
A crise actual tem três grandes causas, duas conjunturais e uma estrutural. Em primeiro lugar, a crise está claramente associada à nossa adesão ao euro. No tempo em que ainda tínhamos o escudo, quando a crise batia à porta, a solução era relativamente simples: desvalorizávamos a moeda para tornar as nossas exportações mais competitivas, baixávamos as taxas de juros para estimular a procura agregada (através do investimento e do consumo) e o governo aumentava as despesas (ou cortava os impostos). A adopção da moeda unida europeia privou-nos das políticas cambiais e monetárias independentes e restringiu seriamente a política fiscal, limitando a eficácia da resposta da política económica.
A nível cambial, as dificuldades já eram esperadas, pelo menos em parte. Nas últimas décadas Portugal nunca teve uma moeda forte e, por isso, a introdução da moeda única iria sempre colocar problemas de competitividade a muitas empresas portuguesas. No entanto, o choque do euro foi bem maior do que se previa, pois desde os meados do ano 2000 o euro valorizou-se 80 por cento em relação à moeda americana, bem como contra todas as divisas (como a chinesa) que gravitam à volta do dólar.
>
Mesmo se o euro não se tivesse valorizado tanto, o facto de não podermos utilizar mais a política monetária retirou-nos margem de manobra na condução de políticas anti-crise. As restrições orçamentais do Pacto de Estabilidade só vieram diminuir ainda mais a importância da política económica em tempos recessivos. Para além do mais, o euro deu azo ainda a um outro efeito perverso. A pronunciada descida das taxas de juros associadas à adesão ao euro fez com que muitas famílias portuguesas se endividassem para níveis nunca dantes vistos na história moderna portuguesa. Actualmente as famílias estão tão sobre-endividadas que há pouca margem para o consumo privado se expandir. Para complicar ainda mais a situação, o endividamento do Estado e elevado défice orçamental dos últimos anos impossibilitaram a utilização da política fiscal para estimular a economia. Por todos estes motivos, os primeiros anos do euro não têm sido muito auspiciosos para a economia nacional.
Porém, como se já não nos bastassem as dificuldades causadas pelo super-euro, nas últimas duas décadas temos sido vítimas (e beneficiários) de uma das mais importantes transformações estruturais das últimas décadas: o renascimento da Índia e da China, que tem originado enormes problemas de competitividade a muitas das nossas empresas. Já sabíamos que o nosso modelo económico tradicional estava esgotado e que, mais cedo ou mais tarde, os nossos principais sectores exportadores não seriam competitivos face aos seus concorrentes asiáticos e da Europa de Leste. Porém, a adesão ao euro e a liberalização do comércio mundial vieram acelerar o fim do nosso modelo económico baseado em baixa produtividade e salários baixos.
>
Apesar de todas as dificuldades, em finais de 2007, parecia que a economia portuguesa já começava a operar eficientemente dentro dos constrangimentos do euro e da globalização. As exportações cresciam a um ritmo muito saudável e a confiança dos investidores dava mostras de estar a regressar. O investimento tornou-se positivo pela primeira vez em 5 anos. O governo e o Banco de Portugal saudaram quase entusiasticamente um crescimento económico de quase 2 por cento em 2007 (um valor que seria considerado anémico noutras alturas) e tudo indicava que uma retoma sustentada estava finalmente à porta.
E foi então que começámos a sentir os efeitos do choque petrolífero e as repercussões da crise financeira americana. Presentemente, arriscamo-nos a voltar ao indesejado mundo da estagflação que caracterizou os anos 70, ameaçando originar ainda mais desemprego bem como o regresso da inflação. Por enquanto, a economia mundial tem resistido relativamente bem à subida dos preços petrolíferos e dos produtos alimentares. Os países em desenvolvimento continuam a ser o motor da economia mundial e, apesar do abrandamento económico, a recessão ainda não chegou à maioria dos países da OCDE. Ainda assim, o risco de um abrandamento brusco permanece elevado. É bom lembrar que os choques de oferta negativos são o pior dos choques que podem afectar uma economia e que as crises mais acentuadas da economia mundial dos últimos 60 anos foram sempre associadas aos choques petrolíferos.
>
Sendo uma economia muito aberta ao exterior e muito integrada com a Europa, Portugal certamente está a sentir o efeito do choque petrolífero, tanto a nível da produção como dos preços. As sombras da recessão começam novamente a pairar sobre a economia portuguesa. Perante este cenário, interessa averiguar a existência de sinais que possam indiciar uma reviravolta na crise dos últimos anos.
(continua...)

3 comentários:

JP disse...

Caro Álvaro,

Muito haveria a dizer sobre as causas da crise. Afinal, eu não me lembro que em Portugal alguma vez se tenha vivido sem crise. Se não é por malhas é por tralhas, mas sempre vivemos em crise. Umas mais profundas do que outras, mas essa sempre foi a nossa sina.

Aquando dos choques petrolíferos dos anos 70, Portugal deveria ter apostado, decisivamente, na energia nuclear. Pois só com "ventoínhas" jamais lá iremos. Mas num país analfabeto, imperou o "nuclear? não obrigado!", enquanto a Espanha espetava com as suas junto às nossas fronteiras, alimentando-as com as águas dos rios, como o Tejo, que correm para Portugal. Qual a diferença se existisse uma central do lado de cá? Mas a estupidez continua. Embora discordando de certos capitalistas, nesta questão, penso que Patrick Monteiro de Barros e outros têm toda a razão e deveriam ter sido levados a sério. Mas desde as suas publicas opiniões há já uns anos, nada foi feito. Infelizmente, temos políticos fracos e gestores ainda piores. Porque o português bem produz, ao contrário do que se diz. Com os meios que lhe dão, faz muitos milagres até.

Relativamente ao que diz sobre a Europa, esqueceu-se de dizer o essencial. É a própria Europa que se está a afundar em contradições, liderada por politiqueiros inuteis que dizendo-se sociais-democratas, mais não são do que defensores do neoliberalismo e do capitalismo selvagem, que nem a américa aceita. A globalização dos interesses e da hipocrisia, ao serviço do lucro das multinacionais, donas do mundo, está a dar cabo de nós todos. Haja quem tenha coragem para por fim a isto. Chavez tem carradas de razão!

João Bispo disse...

"não são do que defensores do neoliberalismo e do capitalismo selvagem, que nem a américa aceita."

Pela experiência que tenho, felizmente (ou infelizmente?) nós, europeus, estamos muito mas muito longe de ser tão "selvagens" no capitalismo, quando comparados com os Americanos. Em poucos lugares é tão forte a ideia de que é preciso fazer mais dinheiro, só porque sim! Custe o que custar. Chega a ser quase uma religião.

JP disse...

Caro João Bispo,

Eu explico a razão de ser da minha afirmação. É que cá, e refiro-me principalmente a Portugal, muitas vezes copia-se o pior do capitalismo, em vez de se implementar somente o seu bom lado, como seja o da verdadeira livre iniciativa e concorrência. Incentivada pelo próprio estado até. É claro que concordo consigo quando fala do capitalismo americano. No entanto, faço notar que empresas como a EDP, ou a PT, por exemplo, nos EUA nunca poderiam operar como empresas privadas. Lá, que eu saiba, aos privados são vedados os monopólios, carteis, etc., sendo severamente punidos. A Microsoft, por exemplo, tem desenbolsado muitos milhões por decisões judiciais nesta matéria. Cá, infelizmente, temos empresas monopolistas e as associações em cartel proliferam sem grandes consequências. Não é assim?

Termino. Aquelas empresas estratégicas, altamente lucrativas, nunca deveriam ter sido privatizadas. Se são monopólios, ao estado deverá caber a sua gestão. Porque é que os grandes capitalistas em Portugal nunca tiveram capacidade para criar empresas desta envergadura? Pois esse é que é o capitalismo saudável, o da livre iniciativa para criar e gerar riqueza, sem ter que ser à custa do dinheiro de todos (estado). Aqui, aqueles dedicam-se essencialmente à especulação financeira e a roubar o estado, pois existe muito pouco investimento no sector produtivo, somente o enrequecimento próprio. Só concebo uma sociedade inteiramente livre e justa aquela em que ao Estado esteja também possibilitada a gestão de empresas estratégicas de cariz monopolista, como seja o caso da electricidade, energia, águas e das mais variadas infraestruturas, por forma a que este possa fazer alguma redistribuição de riqueza e evitar rupturas nos sectores estratégicos. Sei que o que disse, no mundo actual da globalização dos interesses, não agrada a muito boa gente. A muitos vira-casacas também. Mas eu defendo o que sempre defendi. Muito mais haveria a dizer, mas o texto já vai longo...