14 abril 2011

OS VERDADEIROS FACTOS DA CAMPANHA

Nos últimos dias, a "campanha" eleitoral tem sido constituida por um rol de "factos" que só servem para distrair os(as) portugueses(as) daquilo que realmente é essencial. E o que é essencial são os factos. E os factos são indesmentíveis. Não há argumentos que resistam aos arrasadores factos que este governos nos lega. E para quem não sabe, e como demonstro no meu novo livro, os factos que realmente interessam são os seguintes:
1) Na última década, Portugal teve o pior crescimento económico dos últimos 90 anos

2) Temos a pior dívida pública (em % do PIB) dos últimos 160 anos. A dívida pública este ano vai rondar os 100% do PIB

3) Esta dívida pública histórica não inclui as dívidas das empresas públicas (mais 25% do PIB nacional)

4) Esta dívida pública sem precedentes não inclui os 60 mil milhões de euros das PPPs (35% do PIB adicionais), que foram utilizadas pelos nosso governantes para fazer obra (auto-estradas, hospitais, etc.) enquanto se adiava o seu pagamento para os próximos governos e as gerações futuras. As escolas também foram construídas a crédito.

5) Temos a pior taxa de desemprego dos últimos 90 anos (desde que há registos). Em 2005, a taxa de desemprego era de 6,6%. Em 2011, a taxa de desemprego chegou aos 11,1% e continua a aumentar. 

6) Temos 620 mil desempregados, dos quais mais de 300 mil estão desempregados há mais de 12 meses

7) Temos a maior dívida externa dos últimos 120 anos. 
8) A nossa dívida externa bruta é quase 8 vezes maior do que as nossas exportações

9) Estamos no top 10 dos países mais endividados do mundo em praticamente todos os indicadores possíveis

10) A nossa dívida externa bruta em 1995 era inferior a 40% do PIB. Hoje é de 230% do PIB

11) A nossa dívida externa líquida em 1995 era de 10% do PIB. Hoje é de quase 110% do PIB

12) As dívidas das famílias são cerca de 100% do PIB e 135% do rendimento disponível

13) As dívidas das empresas são equivalente a 150% do PIB

14) Cerca de 50% de todo endividamento nacional deve-se, directa ou indirectamente, ao nosso Estado

15) Temos a segunda maior vaga de emigração dos últimos 160 anos

16) Temos a segunda maior fuga de cérebros de toda a OCDE

17) Temos a pior taxa de poupança dos últimos 50 anos

18) Nos últimos 10 anos, tivemos défices da balança corrente que rondaram entre os 8% e os 10% do PIB

19) Há 1,6 milhões de casos pendentes nos tribunais civis. Em 1995, havia 630 mil. Portugal é ainda um dos países que mais gasta com os tribunais por habitante na Europa

20) Temos a terceira pior taxa de abandono escolar de toda a OCDE (só melhor do que o México e a Turquia)

21) Temos um Estado desproporcionado para o nosso país, um Estado cujo peso já ultrapassa os 50% do PIB 

22) As entidades e organismos públicos contam-se aos milhares. Há 349 Institutos Públicos, 87 Direcções Regionais, 68 Direcções-Gerais, 25 Estruturas de Missões, 100 Estruturas Atípicas, 10 Entidades Administrativas Independentes, 2 Forças de Segurança, 8 entidades e sub-entidades das Forças Armadas, 3 Entidades Empresariais regionais, 6 Gabinetes, 1 Gabinete do Primeiro Ministro, 16 Gabinetes de Ministros, 38 Gabinetes de Secretários de Estado, 15 Gabinetes dos Secretários Regionais, 2 Gabinetes do Presidente Regional, 2 Gabinetes da Vice-Presidência dos Governos Regionais, 18 Governos Civis, 2 Áreas Metropolitanas, 9 Inspecções Regionais, 16 Inspecções-Gerais, 31 Órgãos Consultivos, 350 Órgãos Independentes (tribunais e afins), 17 Secretarias-Gerais, 17 Serviços de Apoio, 2 Gabinetes dos Representantes da República nas regiões autónomas, e ainda 308 Câmaras Municipais, 4260 Juntas de Freguesias. Há ainda as Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional, e as Comunidades Inter-Municipais.

22) Nos últimos anos, nada foi feito para cortar neste Estado omnipresente e despesista, embora já se cortaram salários, já se subiram impostos, já se reduziram pensões e já se impuseram vários pacotes de austeridade aos portugueses. O Estado tem ficado imune à austeridade


Isto não é política. São factos. Factos que andámos a negar durante anos até chegarmos a esta lamentável situação. Ora, se tomarmos em linha de conta estes factos, interessa perguntar: como é que foi possível chegar a esta situação? O que é que aconteceu entre 1995 e 2011 para termos passado termos de "bom aluno" da UE a um exemplo que toda a gente quer evitar? O que é que ocorreu entre 1995 e 2011 para termos transformado tanto o nosso país? Quem conduziu o país quase à insolvência? Quem nada fez para contrariar o excessivo endividamento do país? Quem contribuiu de sobremaneira para o mesmo endividamento com obras públicas de rentabilidade muito duvidosa? Quem fomentou o endividamento com um despesismo atroz? Quem tentou (e tenta) encobrir a triste realidade económica do país com manobras de propaganda e com manipulações de factos? As respostas a questas questões são fáceis de dar, ou, pelo menos, deviam ser. Só não vê quem não quer mesmo ver.
A verdade é que estes factos são obviamente arrasadores e indesmentíveis. Factos irrefutáveis. Factos que, por isso, deviam ser repetidos até à exaustão até que todos nós nos consciencializássemos da gravidade da situação actual. Estes é que deviam ser os verdadeiros factos da campanha eleitoral. As distracções dos últimos dias só servem para desviar as atenções daquilo que é realmente importante.

69 comentários:

grouchomarx disse...

Isto é uma visão bastante lúcida.

Bom, pelo menos eu votava em si...

grouchomarx

Anónimo disse...

Caro Prof. Santos Pereira, bem haja por tudo o que está a fazer por Portugal!
J.A.Veloso

Gonçalo disse...

http://irresponsaveis.blogspot.com/

Carlos A. Páscoa Machado disse...

Eis os responsáveis:
António Guterres (PS) 1996-2002
Durão Barroso+Santana Lopes (PSD)2002-2005
José Sócrates (PS) 2005-2011

Goncalo Boavida disse...

Em termos de argumentário macroeconómico não falta (quase) nada. Só acrescentaria que entre 2005 e 2008, enquanto a taxa de desemprego na media dos 17 e dos 27 e em alguns importantes parceiros descia e, inconscientemente se "preparavam" para os tempos difíceis seguintes, nós "orgulhosamente" mantínhamos e até aumentávamos a nossa, antecipando este enorme descalabro (agora) impossível de conter.

Miguel Loureiro disse...

Desculpe insistir, mas no que se refere ao abandono escolar e como já comentei aqui, explicando, as estatísticas estão falseadas, devido a não termos ainda o ensino obrigatório até ao 12º, como acontece em quase todos os países e se considerar abandono os alunos que não continuam no secundário e que é considerado abandono escolar.

Anónimo disse...

Brilhante. Simples e incisivo.

Nelson Santos

aflopes disse...

Muito bom resumo! Apenas sugiro que acrescentes as fontes dos dados que aqui resumes, fica mais credível!

Anónimo disse...

É verdade tudo que escreve. O que lhe poderei dizer mais. Não estamos de tanga. Estamos sim nús.

Pedro Oliveira disse...

O problema estrutural de Portugal vem muito de trás, não é dos últimos anos. De 2000 para cá o endividamento aumentou exponencialmente devido sobretudo o acesso ao crédito a juros reduzidos. E em 2008 a conjuntura externa agravou ainda mais o nosso problema estrutural interno. Mas a verdade é que o mal começou a ser feito precisamente em 1974, quando do golpe militar de 25/4.

Um dos mentores do golpe militar do 25 Abril e ex-activista do terrorismo das FP25, Otelo S. de Carvalho diz que um dos objectivos do golpe era "a criação de um sistema que elevasse rapidamente o nível social, económico e cultural de todo um povo que viveu 48 anos debaixo de uma ditadura". Uma afirmação destas mostra um total desconhecimento económico e social. Como poderia um Estado pobre ficar rico da noite para o dia? No Estado Novo, todo o avanço foi feito de forma gradual, numa perspectiva de poupança, mas sempre a melhorar a longo-prazo.

Ainda ontem (e hoje também) ouvi na TSF opiniões ingénuas de sociólogos afirmarem que Portugal seria capaz de suportar a crise sem "bailout", e que era uma "injustiça" o que os agentes financeiros estavam a fazer com Portugal, dizendo ainda que as estruturas não estavam assim tão mal quanto o que o FMI e outras entidades queriam fazer parecer.

O sociólogo Boaventura Sousa Santos falou ainda há pouco na TSF, citando o norte-americano Robert Fishman sobre um artigo no New York Times dizendo que o Estado Português sofreu uma "pressão injusta dos mercados" que obrigou o País a ter de pedir ajuda de que não precisava". Isto é praticamente o mesmo que dizer-se que uma família falida por sobreendividamento, que durante anos recorreu ao crédito para ir para "Cancun" de férias e comprar carro novo, foi injustamente obrigada a pedir ajuda financeira à família por culpa do banco que lhe subiu os juros, porque, caso contrário, ela teria capacidade sozinha para suportar a "crise" e eventualmente continuar a endividar-se!

Injustiça?! Então, mas desde quando os agentes financeiros e credores têm obrigação de continuar a dar crédito e financiar um Estado sobreendividado (números redondos, Dívida Pública = 100% PIB e Dívida Externa Bruta = 230% PIB)?? Estes valores só têm par com os 1892, altura da nossa última bancarrota resultante dos tempos dos governos insensatos da Regeneração e do Fontismo, ou seja, pela altura da Monarquia Constitucional.

Desde quando um Estado com um crescimento de 0%, com tendência a recessão ainda antes do "bailout" (um estudo da Univ. Católica acusou recessão técnica já em Abril), em que o "deficit" atingiu os 10% no ano passado (tendo em conta o malabarismo do fundo de pensões da PT) e que vive com "deficit" há quatro décadas (o último ano de superavit foi 1970, considerando a despesa publica efectiva, ou 1952 se contarmos com os juros e amortizações) dá boas garantias a potenciais investidores? É de notar que o potencial de crescimento de Portugal (PIB Potencial) está praticamente ao nível dos da I República, pouco acima dos 0% quando comparados com os 6,5% do Estado Novo no princípio da guerra do ultramar português)! Alguém confia num Estado falido e ainda com PPPs para pagar na ordem dos 48 mil milhões durante os próximos 40 anos? Um Estado com um Governo perfeitamente descredibilizado!

Desde quando os mercados têm de depositar a sua confiança num Estado assim? Num Estado que gasta muito mais do que a riqueza que produz, em que a tendência é de produzir menos, actualmente com uma taxa de desemprego de 11% (números oficiais, ainda assim bastante aquém dos números reais e com forte tendência a crescer), com uma taxa de poupança mais baixa que há 50 anos atrás, com reservas de ouro de 40% apenas da quantidade total que existia no início da III República (adquiridas e conservadas em clima económico de poupança do Estado Novo).

O nosso problema tem 37 anos e é estrutural.

dina barros soares disse...

So ha uma coisa a fazer por POrtugal. Que todos vão trabalhar.... pois pelos vistos em se trabalhado pouco ou nada.

francisco bexiga disse...

Boa tarde Professor,

Uma vez que faz várias referências ao ano de 1995 e posteriores, pedia-lhe que apresentasse factos sobre os anos anteriores.

Cumprimentos

skeptikos disse...

Manigâncias orçamentais atingem níveis impensáveis...

http://quartarepublica.blogspot.com/2011/04/manigancias-orcamentais-atingem-nivies.html#comments

lusitânea disse...

Copiei o seu post.Para além do desgoverno que refere existe um outro que por internacionalismo militante puro(o desemprego demonstra-o)que é o de importar e nacionalizar à escala industrial os não comunitários...

Anónimo disse...

Quer dizer que no tempo do dignissimo, glorioso, endeusado até, Senhor Professor Doutor Cavaco Silva não houve aumento da despesa?
Não sou entendido em economia e finanças, nem trabalhava ainda no tempo em que ele foi primeiro ministro, mas dizem que nesse tempo que maiores benesses foram dadas à função pública. A ser verdade, o problema não virá também daí? Só estou a perguntar

Victor Alves disse...

Mais um com forma alarmista, pouco objectiva de apresentar os factos, pois está a ocultar muita informação. Deve apresentar uma escala temporal comum (variável independente) e a evolução temporal das diferentes variáveis a que se refere. Só assim é que ficaremos a saber o que aconteceu nos últimos séculos.
Se se refere ao presente e a um início, sem nos dar a conhecer a variação ao longo do tempo, oculta-nos qual tem sido a real situação.
Utiliza o slogan alarmista: "É o pior X desde os últimos Y anos", ficamos sem saber se há 5, 10, 20, 30 atrás estávamos a dizer o mesmo. E então significa que ainda ninguém conseguiu travar essa tendência. E quem sabe se não estaremos daqui a 5, 10, 15 anos, se não conseguirmos inverter essa tendência.

Victor Alves disse...

E então depois dessa análise temporal deveremos reflectir sobre essas tendências.

Guillaume Tell disse...

Mas que interessa agora saber quem tem mais responsabildades sobre X ou Y, o facto é que as coisas estão más, o Governo de José Sócrates tem grandes responsabilidades sobre o que nos acontece, e tem mais que os outros porque foi completamente incapaz a mudar o rumo, como acentuou o naufrágio.

Obrigado senhor Santos Pereira por expôr as verdades.

Fartinho da Silva disse...

Caro Miguel Loureiro,

"a não termos ainda o ensino obrigatório até ao 12º, como acontece em quase todos os países"

Isto não é verdadeiro. Deve estar confundido. Posso acrescentar que não existe nenhum país europeu onde o 12º ano seja obrigatório. Posso acrescentar ainda que já somos motivo de brincadeira por parte de muitos parceiros europeus por mais esta inovação. Até lhe posso lembrar que a Srª Merkel lembrou ao nosso PM que talvez fosse melhor gastar esse dinheiro num ensino a sério entre os 3 e os 6 anos de idade.

d'Alma disse...

Pois é!... Mas está tudo bem, cá com o povinho que, de tão amansado no pasto, continua a ter um medo acarneirado do pastor!... Paciência!
Mas, não há que preocupar; sendo nós um povo onde o desenrascanço é marca vincada do nosso carácter, lá ultrapassaremos mais uma crise!... Como?!... Sei lá, depois logo se vê!... Uma coisa é certa, não podemos contar com a ajuda miserável dos economistas Portugueses que estão politizados há mais de 30 anos e sempre coniventes com cada governo que nos desgovernou!... Sim, esses mesmos que, sendo génios, faltou-lhes aquele sangue quente para que os impelisse a lutar pela verdade, em vez de se acomodarem nos seus escandalosos salários de, muitos deles, gestores de empresas públicas!... E são esses que, agora, aparecem em todos os programas televisivos da especialidade a dar palpites sobre o que é preciso fazer, sem que apresentem planos concretos, pelo menos, que sejam mais geniais do que o plano que todos conhecem. Que interessa ser um grande economista, se não é utilizada a Honestidade para alertar, publicamente sobre os pecados e alguns “crimes” que causarão crises tão graves quanto esta?!... É preciso ter a CORAGEM e PATRIOTISMO e, acima de tudo, MORAL, para que um curso valha a pena!...
Quanto a nós, o Povo… culpados!... Por culpa de todos eles!

Parabéns pela exposição tão completa!... Informação, por tão completa, muito valiosa.

Marinho Osório disse...

A verdade é só uma: frases, frases e frases.
Eu gostava de ver credibilidade no que aqui foi escrito.
Fontes, gráficos, estudos e opiniões reputadas.

Agora frases do tipo x+y=z e z=x se y=0...

Diogo Pacheco de Amorim disse...

Óptima síntese! Só falta citar um dos grandes culpados, o Dr. Cavaco, em cujo consulado de duas maiorias absolutas
1. Presidiu à delapidação dos biliões que iam chegando da UE
2. Passou os já muito excedentários funcionários públicos de 500.000 para 750.000. Ou seja, com esta e outras medidas estatizantes aumentou o insaciável apetita da máquina que nps está a devorar presente e futuro
3. Complementarmente desperdiçou a possibilidade que teve, com duas maiorias absolutas, de levar a cabo as reformas estruturais necessárias.
4. Passou uma inqualificável rasteira ao Dr. Santana Lopes, abrindo as portas de par em par ao Eng Sócrates.
5. Presidiu durante quatro anos ao imenso descalabro, com a agravante de, pelo menos e supostamente, ser um economista.

O eng Sócrates, o dr Cavaco, O eng Guterres e o bem podem dividir irmamente as responsabilidades. E por esta ordem. Quanto ao Dr Durão Barroso e ao Dr. Santana Lopes, pouco tiveram a ver com isto.

Anónimo disse...

Básicamente, todos andaram a comer a criada, mas ninguém quer ser opai da criança...

nelson disse...

Doutor Santos Pereira,

Sigo atentamente o seu blog há semanas, desde que tive conhecimento do mesmo através do meu docente de 'Contabilidade de Gestão'.

Espero com alguma ansiedade o seu livro. Gostaria de deixar um elogio pelo excelente trabalho que tem desenvolvido pela forma com que tem apresentado diversa informação através desde blog.

Em muito mudou a minha opinião sobre o Portugal 'de hoje' desde que comecei a debruçar-me sobre este assunto, embora que seja apenas mais um leigo, gostaria de lhe deixar uma pequena pergunta:

"Quais as influências do 'analfabetismo funcional' no estado actual da nação?".

Melhores cumprimentos,
Nelson Marques
Estudante 'Gestão de Marketing' - IPAM Aveiro.

Tiago Santos disse...

É um post que querendo dizer tudo, não diz nada. Espero que nos seus livros não siga a mesma linha de argumentação mas perdi a vontade de os comprar para comprovar isso.

Por exemplo, um dos dados que tem sido muito badalado nos últimos tempos é de que parece que a nossa dívida pública duplicou na era Sócrates. Mas na era sócrates a dívida pública aumentou exponencialmente um pouco por todo o lado. Houve uma crise internacional, lembra-se? E até essa crise ter afectado de forma assimétrica os países europeus, Portugal tinha a sua dívida pública a caminhar de mão dada com a Alemanha por exemplo.

Entidades e organismos públicos aos milhares: o que é que significa isso se não compararmos com outros países? Melhor, o que significa qualquer um desses números se não compararmos com outros países?

Mais, tem algum sentido comparar o tamanho da dívida pública agora com há cem anos atrás? Já agora, Que tipo de Estado tínhamos há 100 anos atrás? Tem alguma coisa a ver?

PPP's são uma especificidade portuguesa?

Depois ainda se explicasse cada um dos pontos ao pormenor ia chegar a conclusões substancialmente diferentes daquelas a que se chega na visão simplista: Por exemplo, se as dívidas das empresas são 150% do PIB, isso não reforça a teoria keynesiana de que as empresas estão actualmente a tentar equilibrar os seus balanços o que significa mais desastre com um Estado em austeridade?

Desculpe mas, como está, trata-se de pura demagogia, e nada mais...

Jos disse...

Bom diagnóstico do ponto de partida.
Definir as medidas adequadas sem matar o doente é o passo seguinte. Os médicos que o tratam ainda não conhecem o diagnóstico completo, no entanto o chefe de serviço sabe que já tratou de outros 2 doentes com sintomas parecidos. Dificilmente será conservador na terapêutica e talvez radical demais para o que o doente aguenta. No fundo é como ter escolhido um "tiririca" Pior você não fica.

João Soares disse...

Os problemas que Portugal nunca soube resolver...com a crise irracional dos mercados, acelerou a crise interna...Sem ela, ainda viveríamos enganados desde 1980. Nunca soubemos criar um Estado eficaz.

Anónimo disse...

O problema de Portugal é só um!!! o tamanho do Estado!!! o estado tem estado a "sugar" a sociedade civil à demasiado tempo. O problema é que a sociedade civil em Portugal já quase não tem sangue e o estado agora já não tem mais nada para sugar.
Portugal não cresce? pudera com as taxas que as empresas pagam como podem crescer e investir?Portugal é pouco competitivo? È mentira!!!!as empresas portuguesas até que eram competitivas se não tivessem que alimentar o monstro!!!
Corte-se no estado, corte-se as despesas do estado, criação de uma tabela salarial unica para todo o estado. Daqui a 2 anos Portugal começava a ter novamente sangue!!

Atília Lopes.R disse...

O ponto 6 só peca por defeito é que os 620 mil desempregados são os que estão inscritos no centros de emprego, mas, há muitos como é o meu caso, que não estão. Já desisti de ir lá 2 vezes por mês para nada. Assim automaticamente saí fora das listas.Como eu há milhares.
A. Fátima Lopes

skeptikos disse...

Ainda são só 4 das 639 Fundações que, alegadamente, existem:

Quatro fundações receberam 220 milhões de euros em cinco anos
http://www.abola.pt/mundos/ver.aspx?id=257917

Pedro Pacheco disse...

Concordo com os factos, que conheço. A disposição de argumentos em torno dos factos é que é mais duvidosa do meu ponto de vista. Discordo em toda a linha com o Pedro Oliveira sobre a culpa do 25 de Abril e aprecio a análise do Diogo Pacheco Amorim sobre o maior responsável desde então, pela perversão a que deu início (Prof.Cavaco Silva). Mas não são tanto factos... quer dizer: se analisarmos em detalhe o que o autor apresenta são mais propriamente os resultados. Resultados de corrupção a toda a linha da vida politica, partidária e económica e à total promiscuidade entre estas, com o devido conluio, ou impotência, da Justiça (na dependência do poder político, de facto, tal como tudo o resto), ou outro poder regulatório. É que 85mil milhões de euros do OE mais do que sobram para o governo cumprir as suas obrigações para com os cidadãos. O que se constata é que tem servido para cumprir "obrigações" muito além dessas. Esses são os arte-factos da sua análise, caro autor. Basta ver como os interlocutores politicos (de todos os quadrantes) são ao mesmo tempo (ou a tempo diverso) interlocutores de contra-poderes, grupos económicos e financeiros que se apoiam e vivem, directa ou indirectamente do OE. Onde estavam, e estão,por exemplo, Oliveira e Costa, Mira Amaral, Jorge Coelho? (só para citar alguns de muitos, muitos mesmo...). Quem inventou as PPPs? Para quê? O único denominador comum que resulta óbvio de todo os cenários e pontos de vista é o dinheiro e a corrupção, meus caros. Sejamos francos. Não se trata de incompetência, mas de sobre-competência. E se o nosso voto e os nossos interesses contam muito pouco, um voto do parlamento pode valer muito... Daí que a campanha não me interessa nada, nem me tira o sono. Ainda bem que isto vai à bancarrota, que sem dinheiro não há palhaços. Ninguém viu quem foi porque foram todos, asseguro-vos. Ou mudamos de regime, ou nem adianta votar. Disso ninguém fala, como podiam falar?

Anónimo disse...

A nossa realidade nua e crua...

Incall disse...

Caro professor também convém explicar quem é que acabou com a nossa industria metalo-mecanica, com as nossas pesca e agricultura, substituias por "subsidios ao abate", e agora vem clamar que os portugueses devem regressar ao Mar e à agricultura... Não ponha a culpa de tudo nos ultimos 15 anos...

Jose Costa disse...

Visão muito simplista e sem rigor histórico. Estatisticas fraudulentas. Professor? Gostaria de saber o nivel intelectual dos seus ex-alunos.Cavaco Silva foi o primeiro destruidor da economia portuguesa.Se é tão bom como pensa, faça uma reversão dos anos de governo de Cavaco Silva, depois das contas em dia deixadas por Mario Soares.

Anónimo disse...

Senhor professor

Apreciei a sua análise e gostaria de lhe sugerir, caso não conheça, que lesse:
TODA A VERDADE SOBRE O CLUBE DE BILDERBERG escrito por DANIEL ESTULIN.

Lá encontrará a explicação para os absurdos do desgoverno nacional e quais os principais objectivos dos senhores do mundo.

A maioria dos nossos pseudo-governantes têm por lá passado para receber as ordens (há nomes e fotos de dois deles lá no livro).

Portugal é hoje um País-cobaia.

Antonio Correia disse...

Muito bem. É preciso viver em Vancouver(a minha cidade) para se escrever assim. Pena que em Portugal factos são apenas ideias com potencial.

Carlos Arriaga disse...

O que me faz confusão e me questiono é como os factos só serem revelados ou analisados 15 anos após termos sido "bons alunos", como se o endividamento nos tivesse adormecido e acordássemos agora com as consequências...

Joaquim Dias disse...

É de facto tudo verdade. Mas não podemos esquecer que isto vem desde 1974, da incompetência de todos os nossos políticos que foram fazendo asneiras atrás de asneiras, primeiro começaram por fabricar só doutores e engenheiros, acabaram com as Escolas Técnicas de onde saíam pessoas preparadas para trabalhar e produzir, depois foram mentalizando as pessoas que seria tudo um mar de rosas, não era preciso cultivar, não era preciso pescar, não era preciso criar animais que nos alimetanvam, nem era preciso trabalhar o Estado podia fazer tudo, era subsídios para toda a gente, os políticos cada um roubaba o mais que podia, davam ordenados chorudos aos seus amigos do partido, a Europa dava dinheiro aos milhões pare desenvolver o país mas a mior parte foi desviada para encher os cofres dos políticos e os amigos dos políticos,foi-se criando uma mentalidade nos portuguese que a vida está boa para os bandidos e para os ladrões, veja-se o que se passa com as Forças da Ordem que fogem dos conflitos e dos problemas para não serem incomodados, o que se tem vindo a passar com a Justiça, ninguém sabe quem manda em quem ou quem tem Autoridade em quem.A resposta aí está.

Bmonteiro disse...

Temos três Exércitos (3 Quintas), com quatro cabeças (4 generais de 4 estrelas).
A Alemanha ou o Canadá, com um general de 4*.
O Estado-Maior da Defesa, citado no Programa do XVII Governo, abolido no seguinte.

Anónimo disse...

Apetece-me aceitar e concordar com a idéia aqui exposta; coisa que aliás é fácil de obter dado o clima que por cá se vive. No entanto, sem fundamentar e/ou comparar com pelo menos os Países Europeus ditos da linha da frente, tenho que concordar que roça a demagogia. da qual somos profícuos)

José Ferreira disse...

Só uma nota.Vários comentadores falam do dinheiro que Cavaco recebeu.
Sócrates hoje recebe o mesmo.Recebeu parte do 3ºQCA e agora o QREN.
No tempo de Guterres 2º QCA(93/2000) foi o maior.
Quer dizer-PSD 8 anos a receber.
PS- exactamente o dobro do tempo.
Cavaco saiu do poder com o país em crescimento a Guterres que aguentou até 2000.E depois?Veio o pantano.

Anónimo disse...

Só se esqueceram de lembrar que os governantes do PSD estão metidos nisto até ao tutano ( privatizações duvidosas; parcerias público-privadas ( Ferreira do Amaral ?; BPN ( Oliveira e Costa ), etc.

Anónimo disse...

Como e possivel os governos causadores da nossa situaçao e como claramente apontou no seu texto, os ultimos 30 anos foram absurdos, no minimo. Porque e que estes senhores nao sao julgados criminalmente? Julgados por crimes contra o proprio pais! Quem hipotecou o futuro de milhares de jovens portugueses? qual a diferença entre os ultimos 30 anos de governantes e os despotas que aniquilam paises a seu belo prazer? Todos estes senhores tem de ser punidos para que os proximos se revejam neles e que os mesmos erros nao se repitam e que quem seja politico o seja por talento e dedicaçao e nao por interesses.

lusitânea disse...

Ao Bmonteiro:
Curioso como ainda descobre generais a mais na tropa.Que tal uma injecção atrás da orelha?
Por outro lado "esquece" que só na Câmara de Lisboa existem 100 assessores com o ordenado de general, assim logo de partida e pelo menos um com o 12º ano.Isso é que nos deve enriquecer pelo país fora...onde "trabalham" no maior anonimato possível a "servir" o zé povinho...

Anónimo disse...

para ter alguma credibilidade tem de analisar tambemm o tempo do Prof cavaco Silva! Se esse senhor tivesse vergonha na cara nao metia os pes no Alentejo onde disse que o Alqueva nao fazia falta para a agricultura e onde teve a ousadia de fazer a saida da A6 ( ele que ficou conhecido como o senhor " auto estrada" ) e passados 2km meteu as barreiras.
Conheco pessoas que receberam subsidios da UE para dinamizar a agricultura e em vez de comprarem tratores compraram Land Rover e os sistemas de rega transformaram-se em canalizaçoes de piscinas !
Ja agora, ate 2008 , sim 2008 porque como deve saber existe a economia ate 2008 e a economia depois de 2008, os governos que aumentaram a despesa publica foram os de Cavaco Silva !

Para ter alguma credibilidade tem de comentar estes dados:

http://www.jornaldenegocios.pt/home.php?id=386210&template=SHOWNEWS_V2

Anónimo disse...

Subscrevo inteiramente os comentários do Pedro Oliveira, onde começaram a cavar o buraco em Abril de 1974, o de Bmonteiro sobre a urgente reforma de toda estrutura militar, parece o exercito da Prussia e outros comentarios muito interessantes como o caso do BPN, as PPP, o mundo do funcionalismo publico, só chega a cargos direcção quem tem cartão do partido, etc,etc. Temos que preparar a revolução para criarmos a IV Republica porque esta ja não dá. Bellof

Anónimo disse...

Entristece-me este seu comentário Profº, pois se até aqui lia com atenção os seus textos, com este de caracter absolutamente demagogo e de cariz eleitoral,o meu interesse desapareceu.Já nalguns gráficos anteriores,a coincidência das datas apontava para a influência pouco objectiva da sua de militância de décadas no PSD.
A sua escolha e enumeração de dados negativos sem explicação, mas referentes apenas a pós 1995 não será inofensiva. Para alguém como eu que vive fora de Portugal há mais de 1 década e num país com um dos melhores índices de qualidade de vida, aponto-lhe eu 1 dado positivo em Portugal, os serviços de saúde portugueses oferecem serviços que aqui teriam que ser pagos pelos utentes, não é por acaso que a nível de saúde materno infantil Portugal bate muitos países. Se isso é pós 95 ou não, não sei,aliás tive que ir ver as datas dos seus textos e gráficos para verificar coincidências que
desconhecia dado que não vivo em Portugal há 15 anos....pelos vistos alguns hábitos bem portugueses o Srº não perdeu!

Anónimo disse...

Muito obrigado.

Antonio disse...

A mentira e a imprudência ganham eleições no nosso pobre País, porque será?
Em vez de nos rendermos ao penacho, deveríamos ter aberto os olhos há alguns anos, perceber que de promessas está o mundo cheio e que mais tarde ou mais cedo alguém iria ter que pagar estes desgovernos, … mas nós votamos!
Alguns outros eleitores, votam por clubismo, …mas votam!
Não adianta culpar só os políticos, eles são apenas um extracto do nosso povo.
São igualmente incompetentes, tal como quem os elege.
Teremos de ser mais exigentes, e estar alerta!
Honestidade e competência precisam-se, mas com este tipo de eleitorado, duvido que alguém de boa fé se arrisque a dar a cara, para rapidamente ser tombado pelos interesses instalados, que de uma forma ou de outra sempre deixam cair umas migalhas a uns e outros para manter este estado insustentável a que chegamos.
Sou apartidário e até já apolítico.
Lamento também fazer parte deste filme!!!!!!!!!!

miriam disse...

Parabéns pela análise. Quanto a mim, que não sou economista mas tenho olhos e ouvidos, defino o procedimento de Portugal de há bastante tempo para cá - decerto do 25 de Abril para cá - como um país pobre a fingir que é rico. Como se eu, pobre professora reformada, comprasse agora um rolls royce, para me exibir por aí!

Fernando Oliveira disse...

Tudo o que V.Exª faz questão de expor tem de certeza uma motivação que não só(quanto a mim de esclarecimento)económica/financeira.
É que eu sou daqueles que sofreu na pele os terriveis anos 80 e 90 !
Foi aí que que tudo se começou a precipitar,e porque não o diz sr.Prof.?!Quem fez a 1ª Pac que nos fez abater a frota pesqueira?(Eu ajudo 1º» Gov.Cavaco Silva)e quem cortou a quota leiteira e colocou os agricultores/produtores na época na penúria?!( eu ajudo» 2º Governo Cavaco Silva)Porque não o refere?!Quem deixou que as empresas como a Lisnave,Setenave,os TEXTEIS,Lanifícios,calçado,metalurgia,fossem à falência nessas décadas?!Porque não aborda essa questão?!Sim, porque não fala da fome,sim FOME,PROSTITUIÇÃO,DROGA em Portugal nessas décadas em muitos casos para dar de comer aos filhos?! ( estudem o caso de Setúbal na época)!Porque não aborda V.Ex.ªas opções dos Governos de Cavaco Silva pelo betão das estradas, e pontes, e não no acabar do então ainda inacabado Alqueva,que teria proporcionado a fixação de muita gente da terras?!E porque não houve fiscalização ao ponto de deixarem os bancos como o BPN,BPP,BCP,CGD e outros fazerem os negócios ruinosos que existiram?!
E porque é que quem pior faz em Portugal melhor colocação tem extra muros?! Veja-se o caso do Dr.Victor Constâncio,Dr.Durão Barroso,EngºGuterres,Dr.Dias Loureiro,Dr.Armando Vara etc...
É que andar a malhar ( perdoem o termo sempre no mesmo ( Sócrates ) como se os governos dele fossem os únicos responsáveis,isso é que é mentir descaradamente,sim isso é que é um embuste completo!
É verdade ou não que muitos empresários e bancários até se viraram para a saúde em Portugal com o único objectivo de daí tirar proveitos?!E conseguiram !
Muito mais talvez do que esperavam!
Mas querem mais, a EDUCAÇÃO e tudo o que o CAPITAL puder usurpar !
Todos os que estudaram economia e finanças sabem ao que leva o cego capitalismo, e a prova está á vista de todos,pois isso foi o que se passou em Portugal.Falar no peso do Estado quando se sabe bem que grande parte dos prejuizos adveêm da parceria com privados é uma completa vergonha !
Não é um povo cuja maioria nada tem que é culpado!
É ou não verdade que tudo em Portugal está nas mãos de 2,8% da população?!Essa é que é a grande verdade e que deve ser dita.
Cumprimentos,
Fernando Oliveira

CyberL disse...

Realmente são factos muito relevantes. Mas há factos ignorados que dizem respeito a qualidade de vida e desenvolvimento, por exemplo:



Infant Mortality
http://www.google.com/publicdata?ds=wb-wdi&ctype=l&strail=false&nselm=h&met_y=sp_dyn_imrt_in&scale_y=lin&ind_y=false&rdim=country&idim=country:PRT:USA&tstart=-315619200000&tunit=Y&tlen=49&hl=en&dl=en

Life Expectancy
http://www.google.com/publicdata?ds=wb-wdi&ctype=l&strail=false&nselm=h&met_y=sp_dyn_le00_in&scale_y=lin&ind_y=false&rdim=country&idim=country:PRT:USA&tstart=-315619200000&tunit=Y&tlen=49&hl=en&dl=en

Literacy
http://www.tradingeconomics.com/portugal/literacy-rate-adult-total-percent-of-people-ages-15-and-above-wb-data.html

Human Development Index
http://hdrstats.undp.org/en/countries/profiles/PRT.html

Anónimo disse...

Permitam-me a comparação, mas essencialmente o País é como uma família muito grande.

Quando muitas famílias portuguesas quiseram casa nova, crédito habitação para a totalidade + carro novo + móveis + férias, etc., tudo para já e de uma só vez, só porque o juro estava baixo, quando os nossos governos permitiram tamanha indisciplina no sistema bancário sem nenhum controlo e os nossos bancos se endividaram também no estrangeiro. Sabemos hoje também que as entidades bancárias não são instituições de beneficência, muito pelo contrário, são instituições que em vez de juro praticam a usura.
Emprestam quando até nem estávamos muito necessitados e cobram exageradamente quando não temos condições de pagar.

Pela minha parte perdoem-me a sinceridade, mas a minha filosofia foi:
- Não fazer empréstimos para lazer.
- Não comprar carro a crédito, pois quando o acabasse de pagar, já estaria na altura de comprar outro e entretanto tinha pago ao banco quase 2 carros. E assim tive o mesmo carro durante os primeiros 12 anos de casamento 1990 a 2002 que havia comprado já com 5 anos. “Grande atrasado” …estarão alguns a pensar!
- Habitei uma casa inacabada só com os móveis essenciais e usados, que lentamente (sem compras a juros) conforme as possibilidades fui melhorando. "Deprimente” dirão outros! Mas asim poupei juros, que acreditem deram para muita coisa...
Graças a isso hoje ainda não estou super endividado, mas ainda assim do mínimo que fui obrigado a pedir, graças ao estado a que a Nação chegou, também estou a pagar mas do que devia.

Agora que estamos a bater no fundo toca a todos! Ex-novos ricos e aos mesmos pobres de sempre!

Anónimo disse...

Grande texto Fernando Oliveira!
Já agora , o desemprego em Espanha aumentou para valores historicos! sabem de quem é a culpa: Socrates , pois entao.....Nao é Sr Professor ??

Nuno disse...

Chamar a este cruzamento de estatísticas e informação selectiva "factos" (e dizer que são "verdadeiros", sugerindo que pode haver "factos" que não sejam "verdadeiros"), quando alguns deles nem sequer coincidem com a realidade, é, em boa verdade, um admirável exercício.

Um admirável exercício de contorcionismo, entenda-se.

Anónimo disse...

No tempo do Cavaco é que era...

Anónimo disse...

Visão completamente sectária apresentando só as situações que,eventualmente, podem ser assacadas ao PS, pois só trata a partir de 1995.

Gostaria de perguntar quem intrduziu a limitação da entrada de alunos em medicina de modo a que, hoje, não haja médicos disponíveis para o SNS? Este ataque ao SNS iniciou-se com Cavaco e MFereira Leite e o Rabit que continuar

Anónimo disse...

Eu não sei se o sr. é professor ou é burro. Mas vou contar-lhe uma história verdadeira e não slogans como aqueles que propala no seu post, pois nada vi comprovado com estudos. O sr. até esquece que esta foi a maior crise mundial, em que o petróleo chegou aos 140 dólares o barril. De bocas estamos nós fartos.
Governava o Cavaco. Pôs um sr. à frente dos destinos da TAP que rapidamente matou a empresa. Solução: dos 12000 funcionários mandar 5000 para casa. Como? Ir ao computador, ver quem tem 55 anos, mandá-los com a pré-reforma e reformá-los aos 60 anos. Que ganhava a TAP? Pagava uma % do vencimento, entre 90% e 75%, não pagava segurança social, o empregado também não pagava segurança social e, portanto, a empresa também lhe retirava da folha de vencimento esse valor. Por cada pessoa que fosse pré-reformada a TAP recebia da S Social durante 12 meses 1 ordenado mínimo nacional. Mas, pasme, na S Social era registado como se os descontos do trabalhador e da empresa tivessem sido pagos. Portanto, a S Social deixava de receber 10 anos de descontos (dos 55 aos 65 anos), registava 5 anos que não recebia e passava a pagar a reforma 5 anos antes (aos 60 anos).
Que me diz destas medidas deste "excelente" economista, agora PR? O Sócrates é um anjinho ao pé deste sujeito.
Mas há S Social que aguente este dislates? E diga-me por exemplo, as rendas de casa. Porque não foram actualizadas desde 1974? O estado deixou de receber o IRS dos senhorios se estes tivessem rendas actualizadas. Só lhe dou um exemplo, porque eu ao contrário do sr. sei do que falo. Meu pai deixou-me como herança uma casa com 3 assoalhadas, cozinha, casa de banho e quintal, nos arredores de Lisboa e da qual eu hoje Abril de 2011 recebo mensalmente 18 euros. Percebeu? O país vem-se degradando há muitas muitas décadas.
Não quero falar dos Dias Loureiros, O e Costa, acções do BPN. Então agora é que isto está mal. Tenho a impressão que os seus estudos são do tipo dos desse economista caquético que anda aí na SIC Notícias com o Crespo.

Fernando Teixeira disse...

Ui.Eu também votava em si. Melhor vou votar no seu lado melhor; o pior.
O lado bom onde está camarada!
Porque será que desde o 25 Abril t~em havido mais governos do PS do que do PSD? Só por incompetência dos "ditos" liberais-consevadores.
Estes liberais passaram e vão passar a viver da ajuda, isenções, negócios do governo.
Conte a verdade, conte os factos.
Olhe que o PSD/CDS também tem telhados de vidro.

Sabastiaozinho disse...

Bom..!
Depois de ler tanta lamecha partidária, concluí que de facto o meu "partido político" é a única razão válida para mandar estes senhores todos apanhar bosta para estrumarmos as nossas terras de sementeira e reactivarmos a agricultura, coisa que nos vai dar um grande jeito para no futuro próximo matarmos a fome aos filhos e netos, que disto tudo é que não são culpados. FALEM DOS VOTOS EM BRANCO,coisa que ninguém fala, QUE SENDO MUITOS DEIXAM OS POLÍTICOS E OUTROS QUE TAIS COM AS CALÇAS NA MÃO, falem desses votos e da força que eles têm. E que dizer dos sempre palradores que não votam por comodismo, ou vão para a praia, ou para outro sítio qualquer...mas são sempre os que mais falam e protestam. deixem-se de clubismos políticos e votem em branco e terão uma grande surpresa. É que após o acto eleitoral "todos vêm imediatamente a terreiro falar da abstenção e da divisão dos votos para este e para os outros partidos". Tenham e ouçam com atenção quantas vezes alguém fala em votos em branco...nas últimas Legislativas "esse partido" mais que triplicou os votos, ouviram falar? Está escrito é só procurar e confirmar. Os radicais do costume (ou chacais?) não querem fazer governo nem acompanhados, pudera, o povo (pouco) via-lhes logo as performances e acabava-se o tacho (Assembleia da República) e o que tanto adoram fazer, malhar em tudo e todos. Depois restam os outros três, mas como esses já são conhecidos e as suas incompetências também, resta-nos votar em branco. É UM VOTO ÚTIL, PORQUE QUER DIZER QUE NÃO ESTAMOS DE ACORDO COM AS POLÍTICAS DESASTROSAS E LADRAS DESSA CAMBADA. DEPOIS COM ESSE RESULTADO GERAVA UMA DIARREIA NO SR PR, QUE TERIA DE MARCAR NOVAS ELEIÇÕES, MAS ESSAS JÁ SERIAM COM OUTRAS FIGURAS E A CAMBADA SEM VERGONHA ERA BANIDA, E MAIS UMA VEZ O NOSSO PORTUGAL ERA BADALADO EM TODA A IMPRENSA DO MUNDO INTEIRO ACERCA DESSE FEITO. TENHO A CERTEZA QUE TERIA MAIS IMPACTO DO QUE A AMARAGEM LUNAR OU A MATANÇA DO BIN LADEM.
PENSEM SERIAMENTE NISTO E COMENTEM COM OS VOSSOS FAMILIARES E AMIGOS. DEBATAM O ASSUNTO PORQUE VALE A PENA ARRISCAR. AFINAL JÁ NÃO TEMOS NADA PARA PERDER...JÁ ROUBARAM TUDO, E SE LÁ FICAREM ATÉ O QUE TEMOS DEBAIXO DO COLCHÃO OU ENTERRADO NUMA LATA NUM SÍTIO DO JARDIM, ELES LEVAM. um feliz Domingo a todos e passem bem o mais possível em harmonia com os vossos mais queridos. O RESTO É SÓ POLÍTICA...

J.Young disse...

Quanta DEMAGOGIA... QUANTA demagogia....

J.Young disse...

Este senhor... faz-me lembrar os coleccionadores de latinhas que juntam... juntam e depois não sabem o que fazer com elas.
O senhor junta dados e mais dados, (que belo hobby) e muitos deles falsos porque colhidos demagogicamente mas depois não sabe o que fazer com eles... Ora Bolas..... bla, bla, bla e a montanha pare um rato.

Anónimo disse...

Não sei como podem existir pessoas que façam comentários tão burros e despropositados. Estamos como estamos por única e exclusiva culpa de um PM mentiroso, ditador e incompetente e os senhores que o defendem não passam de outros incompetentes. Basta de lambe botas.

Anónimo disse...

Com todo respeito a maepatria Portuguesa!

Portugal deve comecar a quebrar paradigmas urgente ou vai naufragar nas suas mazelas.

Portugal como pais deve se repensar para sobreviver ao Mundo globalizado que produz riquezas e gera prosperidade.

Na Europa hoje nao se produz riquezas somente se gasta! Ta na hora de voltar a trabalhar duro.

Deitam a falacao e nao fazem nada! E so conversa de botequim!!!!
Acabou o lanche gratuito!

Repensem Portugal antes que acabe!

João Garcia disse...

Muitos dos últimos comentários explicam como é que o actual Primeiro-Ministro consegue ainda ter 33% de votos nas sondagens (cerca de um terço dos votos). Noutro país ele tinha-se simplesmente posto a andar (caso fosse responsável, algo que nunca o demonstrou) ou então estaria agora com uns residuais 10-15% de votos.

E depois, o tipo de argumentação usada é muito engraçada. Vi muito comentário ressabiado, mas nem um, repito, nem um deles rebatia nada do que o Professor Álvaro Santos Pereira disse. Pior, limitam-se a fazer na maioria das vezes ataques pessoais. Sinceramente, não têm um Sporting, um Porto ou Benfica para descarregarem frustrações, é preciso ter clubite na vida partidária?

É o ruído, eles gostam de fazer ruído, sempre foi assim. Agora, com o advento da internet o ruído é encher as caixas de comentários com conversa lateral. Não se rebate nada do que se diz, faz-se acusações levianas da seriedade das pessoas, uma selva... Cada povo merece o governo que tem: é caso para dizer, vocês têm um líder aldrabão e inpato que têm, o "engenheiro" José Sócrates! Obrigado

vitorcenturioalmeida disse...

http://www.youtube.com/watch?v=QvFG7vWsa6Y

Adelino Pereira disse...

Professor Santos Pereira, tenho vindo a ler em surdina todo o seu excelente trabalho de pesquisa e apreensão por este país à beira mar plantado. Agora, é que vão ser elas....pois como ministro da Economia, cabe-lhe atuar e não só comentar o que para aqui vai, devido aos descalabros dos políticos que desde 1995 até agora, se entreteram a hipotecar este nosso País. Desejo-lhe as maiores felicidades e forças, para mudar os ...factos, que aqui tem realçado com tanta veemência e de forma tão rica em termos de análise. è preciso trabalhar muito e para isso, mãos à obra.
cumprimentos, Adelino Pereira

acimadetudo disse...

Acabei de saber que o Sr. foi convidado para fazer parte do nosso Governo. Assisti num pequeno café de bombas de gasolina.

Quero felicita-lo por ter aceite o cargo.

Já o tinha visto no programa da rtp2 a falar sobre Portugal e gostei. É claro que o SR. vai ter uma missão bem difícil, pois irá confrontar-se com esta mentalidade "de que não vale a pena mexer no que está porque pode cair tudo".

Essa é a mentalidade. Mas com este Governo penso que vai ser possível lutar e vencer.
Já fui ao seu blog que não conhecia antes e fiquei admirado com toda a informação que se pode ler.
Para acabar conto-lhe que o dono daquelas bombas de gasolina é um homem com 65 anos (mais ou menos)e quando acabou na televisão "TVI24" de dar a composição do Governo aquele Sr, apoiante do PSD deixa escapar visivelmente contente um "ATÉ QUE ENFIM TEMOS UM GOVERNO SEM AQUELAS CARAS DE SEMPRE, E SÃO JOVENS, ESTÁ CERTO!"

Isto dá um bom augúrio para o futuro.
O trabalho vai ser duro mas vai valer a pena ajudar este povo a sair dos caminhos miseráveis por onde nos estavam a obrigar a ir!

Por mais que que queiram fazer com que desista fale com o povo acredito que estaremos a seu lado!

Viva Portugal
E já agora parabéns!

Anónimo disse...

o que da em falar mal do anterior governo e um cargo de ministro vamos ver agora toda a lenga lenga deste senhor se vai conseguir fazer alguma coisa por Portugal ou quando as coisas derem para o torto nao foje como os outros.