29 setembro 2008

A FARSA BELARRUSSA

No fim-de-semana passado realizaram-se eleições na Belorrússia. Havia 99 novos assentos parlamentares em jogo e, surpresa das supresas, o partido do governo conquistou-os todos. E das duas umas: ou carisma do líder belorrusso, Alexandre Lukashenko, rivaliza o de Fidel (já reformado) em Cuba ou do Querido Líder na Coreia do Norte, ou as eleições foram uma farsa para ocidental ver. O que será?

2 comentários:

Fonseca disse...

If we go back a hundred years and look through the newspapers, we see what arguments the colonial powers of that time advanced to justify their expansion into Africa and Asia. They cited arguments such as playing a civilizing role, the particular role of the white man, the need to civilize ‘primitive peoples.’ If we replace the term ‘civilizing role’ with ‘democratization’, then we can transpose practically word for word what the newspapers were writing a hundred years ago.

Fonseca- Esposende

Alvaro Santos Pereira disse...

Caro Fonseca

É verdade. è exactamente isso que diz William Easterly no seu último livro "The White Man's Burden"

Abraço