26 dezembro 2007

PROGRESSOS DO ATRASO

Numa altura em que ouvimos constantemente que fomos "ultrapassados" por mais este e aquele país (o que é um perfeito disparate, pois estas "ultrapassagens" são relativas, mas transmitem a ideia errada que a nossa economia está cada vez pior), numa altura em que nos bombardeiam com mais e mais descidas de lugares neste e naquele ranking, é óptimo por vezes surgir algum bom senso. Quando analisamos o nosso desenvolvimento numa perspectiva de longo prazo, facilmente nos damos conta do tremendo progresso que alcançámos nas últimas décadas. O DN fá-lo hoje, dando conta do impressionante aumento no número (relativo e absoluto) de licenciadas nos últimos 50 anos. Esperemos que o exemplo do DN seja repetido mais e mais vezes.
ASP

1 comentário:

cristiano disse...

É mito, o facto de eu ter 10 anos de experiência no ensino superior, 6 anos de experiência em consultadoria em sistemas de informação, ser mestre em gestão de informação e ter como vencimento 1020 euros?

É mito estar a concorrer a quase todos os empregos em consultadoria de sistemas há mais de 1 ano e até agora ter tido apenas duas respostas para uma entrevista, tendo depois ouvido que se tivesse 25 anos ou se estivesse disposto a receber 800 euros entraria na empresa?

É mito concluir que cerca de 60 por cento dos meus antigos colegas de faculdade terem emigrado?

É mito concluir que mais 80 por cento dos meus antigos colegas de faculdade que ainda permanecem no país não terem filhos e estarem a trabalhar com recibos verdes contra sua vontade?

Tenho muita pena em lhe dizer que, infelizmente, não tem razão em relação aos "mitos".

Em Portugal, quem tem mais de 50 anos tem quase só direitos e quase nenhum dever, quem está entre os 40 e os 50 anos é uma questão de sorte e quanto aos restantes não têm praticamente direitos, apenas deveres!

Este é o verdadeiro Portugal de 2007.

Desejo-lhe tudo de bom para o próximo ano de 2008.