10 outubro 2008

CASAMENTO HOMOSSEXUAL

O PUBLICO de hoje pergunta a dezenas de portugueses: "Concorda ou não com o casamento homossexual? Com ou sem limitação do direito à adopção? E com ou sem limitação dos direitos patrimoniais? Prefere outra fórmula jurídica?"
Eis a minha resposta:
Não me parece que compete ao Estado decidir as preferências sexuais das pessoas. A orientação e a união sexual de cada um é uma escolha pessoal que não deve ser ditada pelo Estado nem sequer pelas preferências da sociedade. Por isso, sou a favor da aprovação de legislação que conceda os mesmos direitos às uniões homossexuais e heterossexuais, incluindo os mesmos limites em relação aos direitos patrimoniais.
O direito de adopção é diferente. A adopção envolve terceiros. Por isso, antes de decidirmos sobre o direito de adopção por casais homossexuais temos que realizar um debate abrangente e chegar uma conclusão sobre o assunto, quiçá através de referendo.

3 comentários:

Tiago Moreira Ramalho disse...

Estamos em plena sintonia Álvaro.

abraço,

TMR

Tiago Moreira Ramalho disse...

Já agora, quando é que sai esse novo livro?

Santiago Chiva, Granada disse...

O casamento homossexual vai afetar a nossas famílias. Os fatos demonstram que tudo muda quando o casamento homossexual é legal. Se é legalizado, deve ser ensinado como normal, aceitável e moral, em cada escola pública.
Nas primeiras escolas públicas, inclusive em Infantil, devem ensinar a seus filhos a aceitar que o casamento homossexual é mais uma opção moral. E isto confunde as crianças. Isso já aconteceu em Massachusetts
O testimônio da família Parker comoveu a sociedade americana donde todos os referendos ratificam que o casamento é algo entre homem e mulher: “Solicitamos à escola que nos avisassem quando fossem tratar esses temas para termos a opção de que nosso filho não assistisse a este doutrinamento. Os professores, ao negar a opção de eximir ao nosso filho de assistir essas aulas estavam imiscuindo-se em nosso direito a formá-lo.”
Parker foi a juízo e perdeu. A sentença deu razão ao Estado. Ao ser legal o matrimônio entre pessoas do mesmo sexo, grupos gay poderiam impartir oficinas de sexualidade a crianças de 5 anos sem permissão dos pais.
Você pode ver neste vídeo: http://es.youtube.com/watch?v=CGPUeeAphEE

Recomendo também esta a outro vídeo que também legendados em português, que explica que uma criança também é uma dádiva: http://es.youtube.com/watch?v=pJtlrYmZe6Y

Santiago Chiva, Granada, Espanha