23 abril 2008

POBREZA MUNDIAL (3)

Como já aqui debatemos, um dos maiores desafios para a economia mundial relaciona-se com a extrema desigualdade de rendimentos existente. Esta desigualdade de rendimentos é um facto relativamente recente da História Universal, visto que há 200 anos atrás não havia uma grande diferença de rendimentos entre os países mais ricos e os mais pobres. Contudo, a força do crescimento económico sustentado ao longo dos últimos dois séculos, conjugada com o baixo crescimento dos países mais pobres, foi suficiente para criar um fosso nunca dantes visto.
Ora, quais são então os motivos para o subdesenvolvimento de grande parte do globo? Em primeiro lugar, a pobreza das nações é muitas vezes associada com a irresponsabilidade dos governos. Em muitas partes do mundo, sucessivos governos não só têm sistematicamente destruído o crescimento dos seus países, como também têm comprometido o desenvolvimento económico para as gerações futuras. Quais os sintomas de um mau governo? axas de inflação demasiado elevadas, distorções da taxa de câmbio, baixas taxas de literacia, parco investimento na educação, infra-estruturas sofríveis, e outros impedimentos dos mercados.

Segundo, a corrupção em muitas partes do mundo em desenvolvimento é um verdadeiro cancro que aniquila o desenvolvimento. A corrupção destrói os incentivos à produção, e quando é endémica, é difícil haver crescimento económico.
Terceiro, a falta de recursos poderá contribuir para a persistência da pobreza nalguns países subdesenvolvidos (como a Papua Nova Guiné). Mas, às vezes é a abundância de recursos que não ajuda. Em países como a Nigéria (que têm abundantes recursos petrolíferos), as rendas associadas a esses recursos são frequentemente utilizadas para fomentar a corrupção das elites em vez de melhorar os rendimentos dos mais pobres. Assim, a falta ou abundância de recursos não é provavelmente suficiente para explicar a pobreza das nações.
_
Finalmente, um dos grandes problemas que os países em desenvolvimento enfrentam é a falta de instituições que não só salvaguardem os direitos de propriedade, mas também aumentem os incentivos à produção. Sem direitos de propriedade bem definidos não existem incentivos à produção, e o crescimento económico é comprometido.
Em suma, o subdesenvolvimento de largas partes do mundo deve-se a uma série de factores, alguns dos quais (como a colonização, etc) nem sequer foram aqui abordados. Alguns destes factores são internos, outros externos. Não existe uma só causa comum. É exactamente por estes factores serem tão complexos que é tão difícil para os países subdsenvolvidos sairem das suas armadilhas da pobreza. E é por isso que cada país que o faz deve ser enaltecido e admirado por ter engendrado tamanho milagre. O milagre do desenvolvimento.

2 comentários:

António Parente disse...

Descobri o seu blogue por acaso e acho-o muito interessante. Considero que um blogue é interessante quando discordo de quase tudo o que lá se publica. É o seu caso. Vou passar a visitá-lo e a comentá-lo.

Alvaro Santos Pereira disse...

Bem-vindo ao blogue.
Ainda bem que discorda do que aqui se publica. É assim que estimula o diálogo e se avança. Fico então à espera dos seus comentários
Obrigado,
Alvaro