22 junho 2008

GASTOS DAS FAMÍLIAS (1)

Na passada sexta-feira o DN noticiou o inquérito do Eurotsat mais recente sobre os gastos das famílias. Aqui está a notícia:

"As famílias portuguesas são as que, na União Europeia, maior fatia dos seus orçamentos gastam em despesas de saúde (6,1%), revela um relatório do Eurostat divulgado ontem. Os dados colocam ainda os portugueses no topo das despesas em restaurantes e hotéis e em quarto lugar, entre 27 países, na lista dos que maior fatia do ordenado aplicam no ensino.Os gastos das famílias com a saúde, diz Natália Nunes, da Deco - Associação de Defesa do Consumidor, não deixam de ser um sinal de que algo está mal com o Serviço Nacional de Saúde: "É contraditório que se gaste tanto em despesas privadas, atendendo ao que todos nós investimos, através dos impostos, no SNS", admitiu.Para o economista, Álvaro Santos Pereira , é também claro que esta despesa, da qual só os gregos (5,9%) se aproximam, indica a "ineficiência" do sector público e parece comprovar a "impaciência" dos portugueses com situações conhecidas, como as listas de espera. "Há países, nomeadamente os escandinavos, que pagam mais impostos, mas depois quase não ? têm despesas privadas".

Já em relação ao ensino, diz Albino Almeida, da Confederação Nacional das Associações de Pais, "os números provam que os portugueses não facilitam na educação, como se tem dito ultimamente". O responsável da confederação de pais considera, no entanto, que há despesas "incomportáveis", dando o exemplo dos manuais: "O nosso salário mínimo não chega aos 500 euros e há alguns cabazes de livros, no terceiro ciclo, que chegam aos 250". O Estado, reconhece, poderia ajudar mais, nomeadamente "ampliando" a rede de creches públicas, "mas também podemos esperar melhorias graças à escola a tempo inteiro, que reduziu os gasto pelas famílias com a ocupação dos tempos livres".

1 comentário:

Rolando Almeida disse...

Alvaro,
O Albino Almeida deveria ter dito também que o Ministério de Educação gasta uma fatia bem choruda com a Associação da qual ele é o presidente. E a fatia é tão significativa que podemos observar nas intervenções deste senhor ataques infundados aos professores, quando deveria trabalhar em colaboração com eles. O Albino Almeida não me parece ser uma pessoa neste momento capaz de qualquer análise isenta.