16 novembro 2010

A CRISE E O EURO

Muitos(as) acreditam que a crise da dívida soberana é fundamentalmente um problema com o euro. Talvez sem, talvez não. Ainda assim, vale a pena discutir a questão. Aqui está mais uma opinião de um analista da Bloomberg;
"The euro has turned into a bankruptcy machine. Once the markets have finished with Ireland, they will simply move on to Portugal and Spain, and after that to Italy and France."

1 comentário:

José disse...

Alvaro Santos Pereira tem razão.
Com efeito, o euro tornou-se uma máquina de criação de risco de dívida pública, na medida em que 1) esta deixou de poder ser monetarizada; 2) deixou de ser possível o recurso à desvalorização, o que permitiria aliviar o défice aliviar o défice da balança corrente e atenuar a necessidade de capitais externos.

Que vantagens teve a entrada no euro, que se iniciou com a entrada na segunda fase em 1993? Permitiu que se iniciasse uma política de disciplina monetária de redução da inflação e de ruptura com o anterior ciclo vicioso da desvalorização deslizante. Principal senão: Portugal entrou no euro com um défice da conta corrente, que iria "automaticamente" agravar-se, como aconteceu, uma vez desaparecido o sinal dado pelo mercado de câmbios, referente ao desajustamento da cotação externa da moeda em relação ao seu valor de equilíbrio.
Poderá a economia portuguesa sobreviver fora da zona euro? Pode! e até poderá iniciar, de forma consistente, a correcção do desequilíbrio externo, se não for retomada a monetarização da dívida pública, e se a desvalorização inicial que terá lugar for acompanhada por uma política monetária de contenção do refinanciamento, e na qual a expansão da base monetária se faça essencialmente como contrapartida do aumento das disponibilidades sobre o exterior.

José Soares da Fonseca