16 outubro 2010

EM CIMA DO JOELHO

Começa a ser difícil saber o que pensar com tantos episódios e com tanta falta de planeamento deste Ministro das Finanças. Mais uma vez, o Ministro das Finanças deixa a apresentação do documento do Orçamento de Estado para o último dia possível e a uns poucos minutos antes da meia-noite. Desta vez, ainda foi pior do que o habitual, pois o Ministro violou a lei de Enquadramento Orçamental, ao deixar de fora o Relatório que devia acompanhar o Orçamento. 
Ora, sabendo que este Ministro já passou por todo este processo várias vezes, o que é que justifica tais atrasos? Porquê deixar tudo para o último dia? Porquê esperar quase até à meia-noite para o fazer? Porquê tanta atrapalhação e tanta confusão? Sinceramente não se compreende. 
Num outro qualquer país europeu, tais procedimentos e atrasos seriam simplesmente inadmissíveis e inaceitáveis, pois fariam passar a ideia de que as contas foram deixadas até à última, que tudo foi feito em cima do joelho, e que o planeamento foi deficiente ou mesmo mal feito. Noutro país, tais comportamentos seriam imediatamente apelidados de incompetência pura e simples, e de uma falta de planeamento atroz. Seria, por exemplo, alguma vez imaginável o Primeiro-Ministro britânico entregar o texto do Orçamento (ainda por cima incompleto) a uma poucas horas antes do discurso da rainha?
Em Portugal, infelizmente, pensamos que tal comportamento é compreensível ou, pelo menos, não é condenável. O que é lamentável. No entanto, a verdade é que estes episódios e estes atrasos são bem indicativos da qualidade da governação deste governo. Afinal, se um Ministro se comporta desta maneira, como é que nos podemos admirar com o constante descontrolo da despesa e com a falta de rigor na (alegada) consolidação orçamental?

1 comentário:

Voices disse...

Exactamente! Reflecti sobre este acontecimento e pensei que este país está completamente atordoado. É tudo normal, aceitável, compreensível. Não se respeita a lei e não acontece nada. Uma vergonha.