01 março 2011

OS CUSTOS DA SAÚDE

Ainda há uns dias ouvimos o primeiro-ministro afirmar que Portugal era dos países que menos gastava por habitante com a Saúde, o que, alegadamente, seria uma prova inequívoca da eficiência do nosso sistema de saúde. É, sem dúvida, verdade. As despesas de saúde per capita em Portugal são mais baixas do que a média da OCDE.
O que o primeiro-ministro se esqueceu convenientemente de afirmar é que Portugal é dos países da OCDE que mais gasta em Saúde em percentagem do PIB. Ou seja, gastamos uma percentagem mais elevada da nossa riqueza com o sistema de Saúde que o primeiro-ministro enalteceu (e bem) do que a grande maioria dos países OCDE. Não sou eu quem o diz. São os próprios dados da OCDE. Aliás, e como podemos ver no gráfico abaixo, as nossas despesas com a Saúde em percentagem do PIB têm vindo a aumentar muito nas últimas décadas, de tal modo que já gastamos com a Saúde bem mais em percentagem do PIB do que a média da OCDE, o clube dos países mais ricos e avançados do mundo. Por que será que o nosso primeiro-ministro se esqueceu de referir este pequeno detalhe?
Gráfico _ Despesas de Saúde em percentagem do PIB, Portugal e OCDE, 1960-2007
Fonte: OCDE Health Statistics

3 comentários:

António Carlos disse...

Geralmente as despesas de um determinado sector em percentagem do PIB são apresentadas isoladamente (dos outros sectores). Como é sempre possível encontrar um indicador médio (países da OCDE, ou países do Euro, ou países da UE, ...) em que estamos abaixo (não é o caso deste seu post), então resulta sempre a ideia de que devemos gastar mais nesse sector. Claro que para isso teríamos de gastar menos noutro mas isso não é visível. Por exemplo (agora sim tem a ver com o que apresenta), seria interessante saber as percentagens de despesa (relativamente ao PIB) de outros sectores, e a sua situação face à média da OCDE (por exemplo), para que quem se queixa da baixa despesa num determinado sector visse que isso corresponde a uma maior despesa noutro e que aumentar a despesa nesse sector só é possível se a despesa baixar noutro(s). Onde é possível encontrar essa informação?

Miguel Loureiro disse...

Dr. Álvaro
Para melhor compreensão do "problema", que na minha opinião o PIB distorce tudo, não seria elucidativo acompanhar o gráfico com outro, em que constassem os aumentos dos preços dos medicamentos?
E para melhor entendimento político, o mesmo gráfico relativo aos países emergentes e "exemplos" do desenvolvimento económico, não dava jeito?
Se não, ficamos a pensar que somos uns gastadores no tratamento dos nossos cidadãos, que até viram o tempo de esperança de vida aumentado, enquanto noutras latitudes, os custos são maiores, mas através do sistema privado, e de que maneira. Em termos de dívida pública ou externa não dá no mesmo?
Obrigado

Anónimo disse...

Para um aumento da população que não chegou sequer a 15%, entre 1970 e 2007, a despesa com a saúde aumentou 300%. Esse enorme aumento da despesa não foi acompanhado pelo aumento da produtividade, da nossa riqueza. É evidente que o Estado Social assim não se aguenta.

Pedro M Oliveira